Geraldinho: a alegria e os causos do interior do Brasil

geraldinhoGeraldinho Nogueira era um contador de causos, um homem que falava a língua da roça, do interior do Brasil e fazia todos rirem com suas histórias e suas habilidades cênicas para a narração. Conta-se que Geraldinho não perdia uma oportunidade de contar (e alegrar com) suas histórias. Toda hora era hora: na roça, nas festas, no boteco, nas folias, quermesses e – acreditem – até nos velórios!

Natural de Bela Vista de Goiás (GO), Geraldinho não tinha estudos e dizia “minha caneta é a enxada na saroba”. Ainda assim, seus causos chamaram a atenção tanto pela originalidade quanto por sua linguagem única. Seu talento foi revelado por Hamilton Carneiro e José Batista em 1984. Eles levaram os causos de Geraldinho para o programa Frutos da Terra, da TV Anhanguera, o que trouxe reconhecimento nacional para o contador.

Além das características próprias da linguagem regional e oral, as histórias de Geraldinho utilizam-de de variações estilísticas para criar seu efeito cômico e original. Como bom contador de causos, Geraldinho usava expressões muito criativas: “subaquim da perna” (atrás do joelho), “recursim de minguar a toada” (freio), “esgotamento do mês” (menstruação), “molas do jueio” e “ferramenta de mijá” são algumas das expressões que se tornaram sua marca.

Antes de se apresentar para o grande público na TV, o linguajar do contador de causo sofreu algumas alterações. Orientado pelo apresentador e empresário, adequou sua linguagem aos meios de comunicação, removeu algumas palavras e expressões que conteriam “excessos de regionalismo”. Mas a originalidade de Geraldinho está justamente em sua habilidade com a linguagem e em sua espontaneidade.

Geraldinho Nogueira é um dos grandes contadores de causos do Brasil. Apesar de bastante esquecido após sua morte, seu trabalho merece ser preservado pela maestria com que trabalhava a linguagem dos contos e a originalidade de suas histórias.

Conheça o “Causo da Bicicleta”, uma de suas histórias mais famosas:

 

Você ou seus familiares também têm muitos causos para contar? Já pensou em registrar essas histórias como forma de preservá-las? Nós, da Daria um livro, podemos ajudá-lo nesse trabalho, com muito respeito às suas histórias e valorizando a linguagem original do contador. Entre em contato conosco!

 

Anúncios

Uma visita à casa (e à obra) de Guimarães Rosa

img_0653.jpg

Cordisburgo (MG) é uma cidadezinha de menos de 10 mil habitantes e a terra natal do escritor Guimarães Rosa. Na casa-museu do autor, que viveu ali até os 9 anos de idade, podemos conhecer um pouco mais sobre sua vida, sua obra, suas inspirações e a origem de seus personagens tão singulares…

A casa mantém a decoração de uma moradia do interior no início do século 20. O quarto da família tem terços, oratório e colcha bordada; a cozinha, fogão a lenha, panelas de ferro, pilão e cristaleira; além de um poço e um carro de boi no quintal dos fundos.

O pai de Guimarães Rosa tinha uma venda e conta-se que o primeiro contato do autor com as falas e as histórias sertanejas vem do que ele ouvia ali enquanto seu pai trabalhava. Na venda encontramos os produtos que serviam à vida daqueles tempos: os artigos de couro e de palha, os vasos de barro, o berrante, ­os brinquedinhos da época, os chapéus e as violas, as espingardas, as selas, os esteios, entre outros.

Descobertas sobre Rosa

O museu também possui um grande acervo sobre Guimarães Rosa. A máquina de escrever do autor, objetos de seu escritório pessoal, cartas, originais de suas obras e as correções feitas por ele. Podemos ver ali o longo processo por trás de cada um de seus trabalhos: ele relembrava, com a ajuda de cartas ao pai, as histórias da região, pesquisava sobre as plantas e o vestuário das pessoas, fazia viagens… Claro que seu trabalho ia muito além de recolher essas histórias, transformando-as em grandes obras literárias, mas é interessante ver que mesmo um grande autor precisa estudar e pesquisar. Não se cria no vazio, é preciso perguntar, ver e ouvir de peito aberto a natureza e o povo do sertão para escrever sobre ele. Viver para contar.

Portal do sertão

A cidade ainda abriga o Portal do Sertão, uma homenagem ao escritor e a alguns de seus personagens mais famosos: sete estátuas em bronze, que representam parte do bando de jagunços de Riobaldo – do livro Grande Sertão: Veredas. Atrás deles, de óculos, papel e caneta na mão, o próprio autor nos sorri e parece cumprimentar quem se aproxima de sua criação.

IMG_0756

Leia mais sobre o passeio a Cordisburgo (MG)

[Marina Almeida]

Documentos de família revelam história secreta

O remanescente (Cia. das Letras) é uma história de perda e de reinvenção de si. É também a história de um neto que, ao vasculhar as gavetas dos avós, descobre fotografias, cartas e documentos que revelam a trajetória de sua família. O mergulho na vida de seus antepassados, dessas pessoas com quem conviveu, mas que até então não tinha sido capaz de compreender, deu origem ao livro em que Rafael Cardoso conta suas descobertas.

Seus avós, um alemão e uma judia, chegaram ao Brasil fugindo do holocausto e da perseguição nazista. O país, no auge do Estado Novo, ainda flertava com os alemães, e por isso seus avós se protegeram sob uma nova identidade. O autor lembra que os avós nunca falavam sobre assuntos de guerra e exílio: “talvez porque não quisessem repassar os traumas para os netos. Talvez porque nunca os tivessem superado”. Foi só aos 16 anos que Rafael descobriu que tinha ascendência alemã e judia, e só muitos anos depois ele resolveu pesquisar essa história a fundo.

Nesse mergulho, o autor chegou à história de seu bisavô, Hugo Simon, que foi banqueiro e ministro de Finanças da Prússia, socialista, mecenas e colecionador de arte. Pacifista, junto com seu amigo Albert Einstein, ele fundou um movimento que deu origem à liga alemã pelos direitos humanos. Uma história só recuperada agora, quase 80 anos depois.

Você conhece as histórias de sua família? Quais os segredos guardados pela trajetória de seus pais e avós que podem estar se perdendo com o tempo? Registrar essas histórias em livros pode revelar muitas surpresas e garantir que esse legado chegue às futuras gerações. Não sabe por onde começar? Entre em contato conosco! A Daria um Livro escreve e edita suas histórias, ajudando a preservar suas memórias.

[Marina Almeida]

Seu Chico: histórias para não esquecer

srchicopb3.png

— Você que tá aí tem férias, não tem? Tem sua folga… E de premero não tinha férias e descanso nem de 5 minutos. Eu mesmo não tive. Sabe como era o descanso? Era capinando no meio do mato. De premero não tinha tempo de conversar um com o outro assim como eu tô conversando c’ocê. Hoje em dia tá bom demais.

Na rua quase sem movimento de meio de tarde em Milho Verde (MG), Seu Chico, que finalmente tem um pouco de tempo, puxa assunto com os passantes seja gente conhecida ou a se conhecer. Sentado de cócoras na frente de sua casa, olhos apertados para a rua quarada pelo sol do cerrado e sorriso de poucos dentes, ele acolhe quem passa com simpatia e muitos casos.

— No tempo de eu menino, comecei a trabalhar eu tava com 4 anos e meio, que era a idade que começava… Pegava serviço era cedo, bebia café, pegava uma pazinha redonda e ia pra roça ainda tava meio escuro. Ia carregar lenha na cabeça. Comia banana pra aguentar até as sete horas da noite, das 7 às 7. Agora hoje em dia tem descanso de almoço, uma hora, de premeiro não. Tinha dia que ia comer era só arroz. Você é menina nova, mas eu tô com 83, já vou completar 84 anos e ainda tô querendo trabalhar!

— O senhor está bem forte!

— Mas de premero o povo vivia mais. Meu avô viveu 120 ano. 120 ano! E meu pai chegou aos 130. Hoje não vive assim, não. Porque comia melhor. Comia sopa… o caldo de mocotó com a gordura, né? De osso gordo. Hoje fica tirando a gordura da carne. De premero, não. Era mocotó, gordura, osso gordo…

Mas ele logo lembra que a gordura às vezes ainda era muito pouca:

— Nego só comia angu, às vez arroz branco, feijão, macarrão, carne, costela… Um dia um nego disse assim: “vou comer com o sinhô, quer ver?”. Falou que tinha diamante, aí foi convidado pra comer com o sinhô. Sujou tudo porque não sabia comer na mesa, né, comeu carne e tudo, tava satisfeito. Muito bem, no final, o sinhô perguntou do diamante, o nego falou: “eu disse que tem diamante, não que eu tinha um”.

Nós rimos da esperteza e do esforço que se faz por uma boa refeição.

— Isso é do tempo que minha vó era menina. Ela conta esses casos. Era muito sofrimento pros negros. Gosto de contar essas histórias pros mais novo, pra não esquecer, saber o que foi.

Tradições
Seu Chico sabe casos e cantos. Lembra orgulhoso que foi chamado para ensiná-los às crianças na escola:

— Os véio que sabe a cantiga do tempo da escravidão levaram na escola a modo de a professora poder seguir pra frente, senão acaba, né?

E canta para mim. A primeira música fala do nego que caiu no sono enquanto vigiava a plantação de arroz. Acordou com o Assum preto comendo tudo e foi logo correndo e tocando:

— “Xoxô galinhão ê, xoxô galinhão ê… Xoxô galinhão ê, xoxô galinhão ê… Xoxô passarinho, que o arroz é de Deus…”

Seu Chico fala das festas, da Marujada, da procissão, da festa de São Benedito, cada uma com suas tradições e suas músicas.

— “Meu São Benedito, vossa casa cheia, cheira cravo e rosa, flor de laranjeira…” Você que tá aqui, ocê já viu festa aqui?

— Aqui não.

— Vem que ocê vê essas cantigas que eu tô cantando e ainda tem mais um monte. Canta no meio da rua, na porta de casa, o povo vai lá pro terreiro.

Ele lembra de mais uma:

— “Papagaio come milho, periquito levou fama. Papagaio come milho, periquito levou fama…” É muito interessante. Nós somos periquito, o papagaio tá rasgando espiga de milho, lá no pé, nós tamo debaixo catando, tamo na rua trabalhando…

Ele vai explicando as músicas, o significado das histórias… Por trás do seu jeito simples, ele sabe da importância do que conta:

— Sei mais de cem música sem olhar papel. Muita cantiga do tempo da escravidão. Eu gosto de contar pros novos. Porque muitos véio às vez sabe cantar, mas não é capaz de explicar o que vem a ser a cantiga, né? Fica embasbatado. Eu gosto de contar…

Seu Chico não mora sozinho e logo dona Maria da Luz aparece na janela. A senhora negra, de cabelos curtos, emana força, apesar do corpo magro e da idade avançada. É curandeira, descubro depois. E ciumenta – não gosta de seu Chico cheio de conversa na porta de casa. Ela empilha uns sacos de urucum na janela enquanto pergunta meu nome, depois diz para ele:

— Passa para dentro – e volta para o interior da casa.

— A mulher viu que eu tava falando perto d’ôce, entrou pra dentro, não gosta, não – ele explica, mas continua a conversa sem pressa.

— Eu tô com problema no olho, mas ainda vejo ó…

Seu Chico pega um punhadinho da terra arenosa do cerrado na mão. Elas formam pequenas pedrinhas que ele separa com os dedos enquanto conta:

— Um, dois, três, quatro, cinco… Tá veno? Eu ainda vejo!

A casa
Agora ele me convida para entrar. Hesito, mas ele insiste.

— Entra pra lá!

Na sala de paredes já gastas e manchadas pelo tempo, muitas imagens de santos, uma foto de criança, algumas fotos de seu Chico, alguns recortes de revistas enquadrados. Na mesa, sobre uma toalha de plástico, um pequeno altar com muitas imagens, flores de plástico, um filtro de barro com um paninho bordado e já amarelado por cima, duas garrafas de água, um prato para velas.

Seu Chico me aponta para uma foto sua na parede, roupa colorida, boné e penacho vermelho e amarelo na cabeça, sorriso aberto.

— É na festa da procissão, né?

Ele confirma:

— Na festa é dança, a gente vai pra entrada da rua com um monte de canto. E eu só vivo alegre porque ó…

E me conta feliz sobre como ainda está ativo:

— Eu tô velho, mas ainda tô trabalhando. Ainda faço vassoura… – entra no quarto para pegar alguma coisa e volta com um saco cheio de vassouras de palha.

— Olha como ainda trabalho! Ainda gosto de trabalhar!

Pergunto se posso contar sua história no meu blog, tento explicar, ele parece não entender muito, mas repete:

— Gosto de contar pros mais novo, é bom pra poder ficar sabendo pra frente, senão acaba, né, senão acaba…

Entendi a resposta como um sim.

Eu finalmente me despeço de seu Chico, não quero irritar dona Maria da Luz.

— Vai com Deus. Depois ocê passa pra nós contar mais caso – ele diz, enquanto acena.

IMG_0389MarinaAlmeida.JPG
Seu Chico mostrando as vassouras de palha que faz

IMG_0383c

Fui conhecer um pouco mais do pequeno distrito de Milho Verde, em Minas Gerais. Mais tarde encontrei-o novamente. Estava sentado aos pés da pequena igreja do Rosário contemplando o final da tarde. Ao seu lado, um cachorro se esparramava pelo gramado. Já faz algum tempo que estive lá, mas demorei para escrever essa história. Pesquisando agora sobre a região, descobri que seu Chico morreu em agosto deste ano. Foi enterrado ao lado da igrejinha onde ele gostava de ver a noite chegar.

Vai com Deus, seu Chico. Você já contou muito caso e cantiga para nós, agora nós é que contamos as suas por aí. Pros mais novos saberem o que foi e não esquecerem.

IMG_0395malmeida.JPG

[Fotos e texto: Marina Almeida]

José Paulo Paes: poesia crítica

Jose Paulo Paes.jpgJosé Paulo Paes nasceu em 22 de julho de 1926 e publicou seu primeiro livro de poesias em 1947. Cronologicamente, portanto, pertence à geração de 1945, mas sua obra se diversifica bastante do lirismo e seriedade desse período. Em sua busca por concisão, desafetação e intensidade, o poeta se aproxima do concretismo. Mas há um grande diferencial de Paes frente aos outros concretistas: seu forte espírito crítico e satírico, muito utilizado na crítica político-social à situação pela qual o país passava nos anos de ditadura militar.

Os recursos gráficos potencializaram sua tendência ao poema curto e sintético. O poeta busca o recorte exato e revelador para levar sua palavra de rebeldia da forma mais depressa e eficaz possível. Olha para o pequeno, cotidiano, banal – herança modernista –, e busca ali a representação do mundo grande, refletido no pequeno.

A dimensão pública de sua obra acontece com maior força no momento em que os direitos civis estão mais ameaçados no país. Em Saldo, publicado no livro De meia palavra, a situação brasileira parece tocar o poeta que, triste com o que vê, também fala o mínimo, pois o que se há mais para dizer?

Saldo
a torneira seca
(mas pior: a falta
de sede)

a luz apagada
(mas pior: o gosto
do escuro)

a porta fechada
(mas pior: a chave
por dentro)

O poema chama a atenção para as forças externas que reprimem quem não tem força para lutar, pois sente-se também por dentro seco, escuro, fechado, voluntariamente ou não.

Ele também escreveu um livro de poemas infantis chamado Poemas para brincar, que li e reli muitas vezes quando criança. E num cartão perdido em alguma caixa da minha casa tem um poeminha que ele fez para mim quando nasci, a pedido de meu pai 🙂

Convite

Poesia é… brincar com as palavras
como se brinca com bola,
papagaio, pião.

Só que bola, papagaio, pião
de tanto brincar se gastam.

As palavras não:
Quanto mais se brinca com elas,
mais novas ficam.

Como a água do rio
que é água sempre nova.

Como cada dia que é sempre um novo dia.
Vamos brincar de poesia?

Conheça outros poemas do autor: https://www.pensador.com/autor/jose_paulo_paes/

[Marina Almeida]

Memórias que atravessam gerações (por meio de seus genes!)

hand-619733.jpgJá pensou se seu comportamento pudesse ser influenciado pela experiência de seus antepassados, mesmo que você não tenha convivido com eles? É o que aponta um estudo publicado na Nature Neuroscience.

A pesquisa treinou ratos para evitar o cheiro de flor de cerejeira e eles passaram sua aversão para seus filhos e netos, que se mostraram extremamente sensíveis ao aroma mesmo que nunca o tivessem experimentado. Segundo os pesquisadores, o evento traumático afetou o DNA no esperma dos animais e alterou os cérebros e o comportamento das gerações seguintes.

“As experiências de um pai, mesmo antes de conceber, influenciam marcadamente a estrutura e a função no sistema nervoso das gerações subsequentes”, concluiu o relatório.

Para os especialistas, os resultados são importantes para a pesquisa de fobia e ansiedade e fornecem “provas convincentes” de que uma forma de memória poderia ser passada entre as gerações. Eles apontam que essa abordagem multigeracional também pode ajudar a entender o aumento de distúrbios neuropsiquiátricos e de problemas como obesidade, diabetes e perturbações metabólicas em geral.

Fiquei pensando no quanto a história da minha família influencia meu modo de viver… E você? Sente isso de maneira forte também?

Registrar suas histórias e as de seus familiares pode ser uma forma de autoconhecimento, além de um belo registro de um legado que fica para as gerações futuras. Não sabe por onde começar? Entre em contato conosco! A Daria um Livro escreve e edita suas histórias, ajudando você a preservar memórias.

A matéria completa sobre o estudo, publicada na BBC (em inglês), pode ser lida aqui: http://www.bbc.com/news/health-25156510

Foto: Pixabay.com

[Marina Almeida]

[BLOG] Georgina: a voz no livro

“Minha avó materna, a Georgina, tem 90 anos. Eu tenho 32. Nesse tempo todo que a gente convive, ela já tinha me contado vários episódios da vida dela. Mas era muito difícil juntar tudo e lembrar dos detalhes.

Aí, a Flávia Siqueira e a Marina Almeida foram conversar com a minha vó. E buscaram fotografias antigas que ficavam guardadas láááá no fundo do armário. E fizeram um livro de 92 páginas com uma narrativa que me levou pra região de Morungaba e Bragança Paulista, no interior de São Paulo dos anos 1920, 1930, 1940… Muito antes de eu querer nascer. Muito antes de a minha mãe nascer. Antes de vários fatos históricos do século 20.

Por motivos óbvios, foi um dos livros mais interessantes que eu já li. Quem tem um exemplar, vai guardar com muito cuidado, porque a edição é limitada. Não tem na Livraria Cultura, nem na Saraiva, nem na Amazon.” (Renato, neto)

Daria um livro
No começo, Dona Geórgia achava que não teria muita coisa a contar. Perguntávamos sobre a infância, ela falava um pouco, depois parava e dizia “não alembro”. Pensava por alguns instantes em silêncio e, de repente, começava a puxar pela memória um lugar ou acontecimento. Assim, as lembranças iam se encaixando e compondo suas histórias de vida — uma vida que daria não apenas um, mas vários livros.

“Dona Georgina é minha mãe e mora comigo. Quando ficou sabendo que sua história seria contada em livro, ficou toda faceira e não se cansava de dizer, admirada: ‘Já pensou quantas pessoas vão ficar sabendo da minha história?’ Todas as vezes que iria ser entrevistada, ficava ansiosa esperando pela visita das autoras do livro. Ela fica horas olhando a obra da sua vida. Parabéns, Flavia e Marina! Vocês não imaginam o bem que fizeram à minha mãe! Um trabalho como este não tem preço, enriquece os laços familiares e diviniza a alma do homenageado.” (Lucinda, filha)

A voz de Georgina
A fala de Dona Geórgia traz o modo de se expressar de certas regiões do interior paulista: “nós” é pronunciado como nói; o diminutivo aparece com muita frequência e musicalidade, como em banhinhinha. Não podíamos deixar esses detalhes de fora: decidimos manter muitos trechos da fala de Dona Geórgia exatamente como os ouvimos — a ideia é que, ao lermos suas frases, seja possível imaginá-la falando. E assim foi se construindo a obra: uma dança entre a voz de Dona Geórgia e nossa descrição de lugares e acontecimentos.

Leia alguns trechos do livro Georgina – Costurando histórias.

Leia os capítulos 3 e 7 do livro (formato PDF).

[BLOG] Reorganizando fotos e histórias

— Nossa… Se eu sentasse e escrevesse tudo pelo que já passei… Foi tanta coisa!

Não era a primeira vez que eu ouvia minha avó dizer isso. E, agora, era a hora perfeita para colocar tudo no papel. Já havia trabalhado alguns anos como jornalista e estava começando a organizar, com a Marina Almeida, a ideia de abrir uma empresa de produção de livros personalizados.

— Vó, quer que a gente faça um livro com suas fotos e histórias?

— Ah, eu quero!

Como ela tinha acumulado muitas fotos (algumas do início do século 20), pensei em criar um livro organizado a partir delas. Quais fotos eram as mais significativas para ela? O que ela notava primeiro? Qual era a história daquela fotografia? Que lugar era aquele? Que ano era? Que roupa era aquela?

Mas é claro que havia muito mais além das fotos. Histórias que não tinham sido registradas em imagens: sustos com os filhos pequenos, brincadeiras de infância, o cansaço sem fim da vida de comerciante, o sumiço da cachorrinha Mel e sua volta para casa…

O resultado foi um livro que mescla textos longos sobre memórias (páginas de fundo branco) e observações sobre fotografias relacionadas aos períodos que coincidem com essas lembranças (páginas de fundo preto).

Para mim, foi uma incrível volta às histórias que minha vó contava, aos lugares de que ela falava, às fotos que eu costumava tirar dos armários para fuçar sempre que, quando criança, ia passar meu período de férias escolares na casa dela. Olhava aquelas fotos em preto e branco, perguntava quem eram aquelas pessoas e ela me explicava — só para eu esquecer e voltar, nas férias seguintes, a olhar as mesmas imagens e fazer as mesmas perguntas.

Gravar entrevistas com minha vó e depois transcrevê-las, digitalizar imagens, anotar informações sobre quem eram aquelas pessoas… Todo o processo me ajudou a organizar coisas que eu ouvia desde criança, mas que estavam bagunçadas na minha cabeça.

Então, o Barreirão — esse lugar de que ela tanto falava — foi onde ela passou os primeiros anos de infância… A adolescência foi em Osvaldo Cruz… Os nomes dos avós paternos eram Domingas e João, ambos portugueses. Os avós maternos eram Henrique e Carolina — ela, mineira; ele, também português. Domingas e João vieram de Funchal; Henrique, de Trás-os-Montes…

Na primeira entrevista, os nomes e lugares de origem ainda me confundiam. Montei uma árvore genealógica para não me perder e parar de repetir perguntas. Deu certo.

A maior parte das fotografias estava bem conservada. Gosto de pensar que devo agradecer, em parte, à súbita vontade que tive um dia, quando criança, de colar nos álbuns as fotos que antes estavam soltas. Isso provavelmente ajudou a evitar que elas se desbotassem. Claro que em meu trabalho/diversão de infância não havia organização nenhuma — de repente, em meio a fotos da década de 1980, aparecia uma imagem dos anos 30.

Eis que, agora, o livro existe! Antes de receber os exemplares impressos, cheguei a sonhar que tudo tinha dado errado. Que havia erros na capa, que a impressão estava ruim, que faltavam páginas… Mas nada disso aconteceu. A impressão está ótima, as cores estão vivas, nenhuma página falta.

Agora, o livro existe (leia trechos)! Olha… Ainda me impressiono com isso. (risos)

[FLÁVIA SIQUEIRA]

 

BLOG | A história de um livro (e o início de outros)

Escrever um livro contando as memórias de um casal prestes a completar 60 anos juntos? Ouvir suas histórias e transformá-las em texto? O convite era muito interessante, e também desafiador. Minha empolgação foi crescendo conforme eu conversava com o filho do casal, que os presentearia com o livro. A história deles trazia um pouco da história do nosso país: a imigração para o Brasil da família italiana de dona Dalva, a vida no campo, com seus desafios e trabalho duro,a cultura e os causos da roça, a mudança para São Paulo e a adaptação ao trabalho das fábricas e ao modo de vida da cidade grande… E a vida comum e os grandes momentos da história também se encontravam, como quando seu Domingos presenciou os soldados da revolução de 1932 ou as lembranças de como a Segunda Guerra Mundial afetou a vida dos dois no interior do país.

Antes da primeira entrevista descobri que eles estavam um pouco nervosos para falar com uma jornalista e que tinham dúvidas se suas histórias de vida, tão simples, seriam interessantes o suficiente para serem transformadas em livro. Mas a primeira conversa logo foi ficando mais descontraída e a satisfação pela história construída tomou o lugar da apreensão inicial. Eles riam das dificuldades por que passaram e me convidavam a ver, também, com bons olhos a vida. O trabalho duro, no campo ou na fábrica, era lembrado com orgulho. Já a festa de casamento da roça, simples e animada, foi motivo de risadas – sem luxos, eles tinham o necessário e não precisavam de mais.

As histórias de dona Dalva e seu Domingos são contadas não só com palavras, mas também com gestos, modos, olhares e vozes. Para o texto escrito, além de organizar e hierarquizar o grande volume de informações, era preciso valer-se de recursos literários para garantir a leveza, a vivacidade e a força do que estava sendo contado. Isso, claro, sem perder a fidelidade aos fatos vivenciados por eles.

Após a redação de todo o livro, que tem quase 200 páginas (leia alguns trechos aqui), o material ainda passou por algumas etapas complementares e de finalização: revisão da família – para garantir que nenhuma informação errada fosse publicada –, revisão gramatical, criação de ilustrações para algumas passagens, seleção de fotos e documentos a serem reproduzidos na obra, diagramação das páginas, elaboração da capa e, finalmente, a impressão. Ao final, ver os livros impressos foi muito gratificante para todos nós. Foi também neste momento que eu comecei a pensar em como gostaria de continuar este trabalho de ouvir com atenção as histórias e ajudar as pessoas a escrevê-las, registrando sua vida e seu legado. Foi a partir daí que a ideia do Daria um livro nasceu.

[MARINA ALMEIDA]

Transformamos sua história em livro

“Era apenas uma visita à casa da família de sua amiga. Enquanto esperava o café ser servido, parou para olhar as fotos dos irmãos, cuidadosamente dispostas num nicho ao lado da entrada. E lá estava ele. Os olhos verdes como os da irmã, o sorriso tímido e a expressão serena. Ela não tinha mais dúvidas.

– Quem é este?

– É meu irmão, Antônio, que está no Brasil.

Antônio, como seu santo de devoção. Não faltava mais nenhum sinal.

– E quando ele vem visitar vocês?

– Só ano que vem.

Não tinha problema. Para passar o resto da vida juntos, valia a pena esperar um pouco.”

A memória é feita de fios que vão e vêm. Às vezes embaraçando as histórias, outras vezes trazendo surpresas na ponta das linhas entrelaçadas. Tecer os fios da nossa história ajuda-nos a reconstituir o sentido da própria vida, construída e reconstruída todos os dias por nós.

Acreditamos que as histórias de todas as pessoas são únicas e valem a pena ser contadas, tanto os pequenos casos de cada dia quanto os grandes acontecimentos da História. Sua trajetória e a da sua família, os momentos por trás das fotos daquele antigo álbum, os causos dos seus avós, a descoberta de um grande amor, o nascimento dos filhos ou os principais momentos de uma grande viagem… Toda história daria um livro e nós podemos ajudar a escrever o seu.

***

Em busca de mais inspirações? Leia também:

As histórias de seus pais e avós As histórias de seus pais e avós
Memórias de infância Memórias de infância
Receitas e tradições de família Receitas e tradições de família
A trajetória da sua empresa A trajetória da sua empresa
Grandes pequenos momentos Grandes pequenos momentos