Nossos trabalhos – leia trechos

Do outro lado do Atlântico

Histórias e recordações de Franco S.

IMG_9052

Trabalho realizado pela Daria um Livro: produção completa, com entrevistas, redação, edição, diagramação e design.

Trechos:

“No escuro das frias trincheiras dos alpes italianos, após um dia de combates, numa noite quem sabe de que medos e dores feita, imagino meu pai, um jovem soldado pensando na família e na mulher cuidando de tudo sozinha desde que ele fora convocado para servir o exército italiano. Ele devia se afligir sem saber o que se passava conosco, se teríamos escapado aos bombardeios, se estaríamos passando quais necessidades…

Na Segunda Guerra Mundial (1940-1945), escapar da morte é a tarefa de dia e noite. Mas, quando cai a luz do sol e os combates diminuem, é a hora da saudade de casa e da incerteza da guerra. Lavinio, meu pai, trabalhava memórias e saudades com as mãos. Esculpia sonhos e mensagens em sua mente, imaginando um dia registrá-las. Como? Onde? Na gaveta de alumínio onde era servida sua comida. Eu, Franco, seu filho primogênito, ainda era um bebê – nasci seis meses antes do início da guerra –, e o pai não sabia se voltaria para me ver crescer.” [Leia mais]


Georginacapa_georgina
Costurando histórias

Trabalho realizado pela Daria um Livro: produção completa, com entrevistas, redação, edição, diagramação e design.

Trechos:

“(…) Sua mãe costurava as roupas da família e, com o tempo, passou a ensinar as filhas. Ela cortava o pano e dava para Georgina. Mostrava como pôr a linha na agulha com cuidado para não furar os dedos. Nozinho firme para começar a costura e a linha ia desenhando blusas e saias e vestidos e camisas. O movimento trêmulo das pequenas mãos foi ganhando segurança, perdendo a força desnecessária e se tornando dança de braços e dedos em linhas e estampas.

– Minha mãe tinha muita paciência de ensinar — conta Dona Geórgia. — É difícil. Mas daí eu aprendi. Até hoje eu faço roupa pra mim.

Ela mostra com orgulho a caixinha em que, hoje, guarda suas agulhas e linhas. Trabalha com “costurinha”, como diz: pregar um botão, apertar uma blusa, refazer uma prega. Se os braços e as pernas doem, as mãos seguem trabalhando com precisão. Ela não precisa de ajuda nem para colocar a linha no buraco da agulha — põe os óculos, anda até a luminária, aperta o botão para acendê-la e com paciência conduz a ponta da linha pela minúscula passagem.” [leia mais]

Depoimentos:

“Ficou lindo! Suave de ler, emocionante, real e mágico ao mesmo tempo.” (Lucinda, filha de Georgina)

“Vemos a sabedoria dela com riqueza de detalhes, aquela sabedoria em lidar com a vida, com as pessoas, algo que é próprio dela. Lindo trabalho! A cada história que já conhecemos, vocês conseguiram dar vida através das palavras.” (Sueli, nora de Georgina)

“O resgate que vocês fizeram ficou excelente. Foi um trabalho de costura coletiva.” (Victor, neto de Georgina)


Dalva e Domingos

Dalva e DomingosHistórias de vida

Trabalho realizado pela Daria um Livro: produção completa, com entrevistas, redação, edição, diagramação e design.

Trechos:

“Como moravam longe da cidade, os moradores do interior desenvolveram uma estratégia interessante para atravessar o longo caminho de terra e chegar limpos e com os sapatos bem cuidados ao centro: ir descalços até lá. Quando chegavam, lavavam o pé em algum córrego e, aí sim, colocavam o sapato, que carregavam limpo e bem guardado nas mãos. Ainda economizavam a sola do calçado. Mas a criatividade não tem limites e havia soluções mais engenhosas.

— Eu contei bastante, mas ainda não falei a verdade, não. Em Minas tinha um outro truque. Em Campo Gerais, para ir para a cidade, o pessoal era muito esperto. Lá todo mundo andava descalço, mas para ir à cidade tinha uns que queriam ser meio grã finos. Num pé, calçavam o sapato e no outro amarravam um pano com um pinguinho de tinta vermelha, para dizer que estava machucado e, por isso, não podiam usar calçado naquele pé.

Assim não gastavam a sola dos dois pés do sapato de uma vez.” [leia mais]


Apparecidacapa_livro_apparecida
Entre idas e vindas

Trabalho realizado pela Daria um Livro: produção completa, com entrevistas, redação, edição, diagramação e design.

Trechos:

“No começo da infância, quando o mundo ainda era recente, o sítio era sobretudo um lugar de brincadeiras. Havia uma paineira, e suas folhas que caíam. Havia terra e galhos para construir pequenas cidades. E galinhas, com pintinhos que cresciam e outros que morriam ainda muito cedo.

As crianças resolviam, então, enterrar os pintinhos mortos. Brincavam com eles enquanto ainda estavam “quentinhos”, como relata Cida. Depois, faziam o enterro. Mexiam na terra, davam adeus, colocavam flores por cima. Ficavam em silêncio, tristes. Tristes de verdade. Era um brincar de sofrer.

Os adultos não interferiam na brincadeira. A mãe de Cida por vezes estranhava todas aquelas crianças tristes, de repente quietas. Antônia se perguntava se elas não estariam, na verdade, captando alguma mensagem do Além — talvez antecipando, naquele velório de brincadeira, algo ruim que viria a acontecer.” [leia mais]

Depoimento:

“Que lindo ficou o livro! Fiquei muito emocionada! Cheguei a descobrir ali coisas que eu não sabia sobre a família.” (Goreti, irmã de Apparecida)


2019-01-10 12_01_22-daria um livro (@dariaumlivro) • instagram photos and videosEntre Abismos, de Rafael Scanavacca

Trabalho realizado pela Daria um Livro: preparação de texto.

Trechos:

“Saímos rumo ao Carstensz.

(…)

Logo começou a amanhecer e a crescente claridade foi revelando a imensa parede de pedra escura e vulcânica, sob o céu nublado e chuvoso da Papua. Caía uma fina garoa. Ao redor, eu podia ver os picos sem nome que se erguiam e pareciam maiores e mais ameaçadores do que antes. Ao lado, uma construção colossal, muito maior do que uma cidade e com aspecto feio e industrial. Também via um enorme buraco perfurado no chão em meio a camadas e camadas de terra e pedras reviradas, e um rio cor de lama esbranquiçada. Era a mina de ouro, uma presença incômoda e que destoava da paisagem.

A escalada foi se tornando cada vez mais íngreme e exposta e às vezes fazia minha cabeça rodopiar. Sob meus pés, a parede despencava por 400 metros; para cima, elevava-se com autoridade por 370 metros em direção à crista.”

Depoimento:

“Fiquei muito satisfeito. Os ajustes e sugestões não descaracterizaram minha linguagem original. O trabalho foi realizado de maneira tranquila, dentro do prazo combinado e sempre aberta a conversas – me senti muito à vontade para apontar os caminhos que preferia seguir. Eu certamente indicaria a Daria um Livro para trabalhos de revisão e preparação de texto.” (Rafael Scanavacca)


2018-12-20 11_52_04-daria um livro on instagram_ “mais um livro ficando pronto _) . #livro #livros #Nossa história

Livro presente, sobre trajetória familiar

Trabalho realizado pela Daria um Livro: produção completa, com entrevistas, redação, edição, diagramação e design.

Trecho:

“A verdade é que nunca deixamos o lar de nossos pais. Podemos ir morar em outra casa, em outra cidade, mas o lar é algo bem maior: está dentro de nós, é a base de nossa história, de nossos aprendizados e memórias, de nossos exemplos. E, quando crescemos em um lar de apoio e tranquilidade, conseguimos sempre fazer uma pausa e voltar – ainda que a milhares de quilômetros de distância – a esse lugar de aconchego, de onde é possível enxergar com tanta clareza as coisas boas.”


Você tem uma história que gostaria de transformar em livro? Receba em seu e-mail informações sobre nossos pacotes:

Anúncios