CPTM ou Aconteceu no trem

O rapaz, de no máximo 25 anos, entra pela porta que divide os vagões do trem:

— Olá, pessoal, tô aqui pedindo uma ajuda de vocês pra comprar uma mercadoria nova pra vender, porque o segurança levou a que eu tinha lá na primeira estação… É sério, pessoal, não tô querendo enganar vocês, não. Eu perdi toda a minha mercadoria. Tenho três filhos em casa que precisam comer. Uma ajuda pra comprar mercadoria nova… Uma ajuda… Qualquer dez centavos…

Ele vai até o fim do vagão e volta, agitando nas mãos algumas moedinhas. Desiste — deste vagão vazio não vai sair muita coisa — e senta-se em um dos bancos, de frente para dois meninos que já estão ali há algum tempo. O menor deve ter uns sete anos; o maior, dez.

O garoto menor olha para o rapaz e sorri:

— E aê?

— E aê, menor! — o rapaz responde. — Que que cê tá fazendo aqui?

— O mesmo que você! — o menino alarga o sorriso, orgulhoso.

— Vendendo?

— É.

— Faz isso não! Cês têm é que ir pra escola, estudar, pra depois ganhar bastante dinheiro, ficar rico…

— É que a gente tá de férias…

— E cês passaram de ano?

— Aham…

— Mas passou empurrado, né?

— Não foi empurrado, não! – diz o menino mais velho. – Tô no quinto ano agora.

— Quinto ano! Não para, não, hein. Vai estudando… Tem que estudar pra ganhar dinheiro! Porque isso aqui não é vida, não. Um dia cê ganha e no outro cê perde… Olha eu aqui! Tomaram minha mercadoria… E cadê o pai e a mãe de vocês? Cês tão sozinhos?

Eles fazem que sim com a cabeça.

— Fica esperto, menor! Fica esperto! Que se os hómi pegam vocês, levam pro juizado… Fica esperto! Vai pra casa! — ele olha para os pés do menino menor. — E por que cê tá descalço? Não tem sapato, não?

— Não. E esse tênis aí? Vou comprar um igual…

— Isso aqui é falsificado — o rapaz se levanta. — Não cai nessa vida, não, menor!

Ele desce na estação seguinte, enquanto os meninos se escondem, rindo, debaixo de um banco. Na plataforma lá fora, homens de uniforme marrom e boina passam rentes à janela.

As portas se fecham, o trem sai. A pequena dupla se levanta e comemora, pulando e se pendurando nas barras de metal:

— Vixe! Quase que pegam a gente!

O garoto de dez anos corre até a porta e encosta a bochecha no metal. Assopra e vê um pedaço do vidro se embaçar.

— Já é a próxima que a gente desce, né?

— É. Mas eu não quero ir pra casa, não.

[FLÁVIA SIQUEIRA]


 

Transformamos suas histórias de vida em livro. Conheça nosso trabalho aqui na Daria um Livro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s